Os tratamentos clínicos (com fármacos) da hiperplasia prostática podem contribuir para a deterioração da função sexual?

23-11-2018 16:58

Muitos tratamentos farmacológicos (não os com nutriterápicos) para a hiperplasia da prostata (HPB) contribuem para deteriorar ainda mais a função sexual dos pacientes com HBP. 

Os estudos sobre tratamento prolongado com finasterida (droga medicamentosa química sintética) verificaram que provoca disfunção eréctil, diminuição da libido e diminuição do volume ejaculado.

Embora em menor proporção, os alfa-bloqueadores (medicamentos utilizados não só como anti-hipertensivos, mas também em pacientes com hiperplasia prostática benigna.) também alteram a função sexual, tendo sido observadas diferenças importantes entre eles.

Por exemplo, a disfunção eréctil com alfabloqueadores não selectivos, como terazosina e doxazosina é de 6. Adicionalmente,  com a tamsulosina, a ejaculação retrógrada é da ordem dos 6% e continua a aumentar progressivamente com a duração do tratamento, chegando aos 30% depois de um ano e meio de tratamento.

 

 

Conclusão a que se pode chegar a respeito dos tratamentos:

- Com estes dados descritos e porque não tem efeitos colaterais, deduz-se claramente que a primeira opção para o tratamento da HPB deve começar por se usar o remédio natural SSP3-Forte, pois este nutriterápico é o tratamento que melhor respeita a função sexual as outras que interferem na virilidade e na masculinidade do paciente.

 

Para mais informações ou compra do SSP3_Forte, vá ao site www.ssp3forte.com

Voltar